Web-Seminário Internacional Construindo Diálogos sobre Governança Florestal: Conservação, Manejo Sustentável e Restauração de Paisagens

22/10, 29/10, 05/11 e 12/11 de 2020

A Governança Florestal é um tema urgente na agenda ambiental do século XXI, pois abarca a tomada de decisão sobre para quem, onde, como e de que forma podem ser feitos o manejo, a conservação e a restauração das diversas formações florestais. As florestas cobrem cerca de 30% da superfície da Terra, e fornecem serviços ecossistêmicos essenciais ao planeta, por meio da biodiversidade, dos ciclos biogeoquímicos e da regulação do clima. No Brasil, as florestas totalizam 516 milhões de hectares, o equivalente a 61% do território nacional; desse total, 54% são florestas nativas de diferentes formações, as quais desempenham funções direta e indiretamente relacionadas ao abastecimento de água, manutenção da biodiversidade, produção de alimentos e conservação dos solos.

O Seminário Internacional - Construindo Diálogos sobre Governança Florestal: Conservação, Manejo Sustentável e Restauração de Paisagens teve o objetivo de discutir as tendências contemporâneas em Governança Florestal, considerando perspectivas teóricas e experiências de pesquisa e de práticas internacionais, nacionais, regionais e locais. Com sua realização, compartilhamos conhecimentos, geramos reflexões e discutimos propostas capazes de superar os desafios de implementação de programas e projetos de conservação, manejo e restauração de florestas em diferentes paisagens brasileiras.

O seminário foi organizado pelo Grupo de Pesquisa em Governança Florestal (https://sites.usp.br/governancaflorestal/ggf/), com apoio do PROCAM/IEE-USP, EACH-USP, Center for the Analysis of Social-Ecological Landscapes (CASEL, Universidade de Indiana, EUA), University of the Sunshine Coast (Austrália), Università degli Studi di Padova (Itália) e da Wageningen University & Research (Holanda). Realizado em quatro encontros nos meses de outubro e novembro de 2020, ele foi dividido em dois grandes blocos: o primeiro sobre governança das florestas nativas e o segundo sobre governança da restauração florestal. Cada um dos blocos teve dois encontros formados por uma palestra de abertura com um keynote speaker internacional, seguida de um painel com especialistas no tema.

O primeiro encontro discutiu as diferentes dimensões do conhecimento e experiências de governança das florestas nativas no âmbito da Amazônia brasileira e América Latina, e como as florestas nativas podem contribuir para que os ODSs sejam alcançados. Foram destacadas a contribuição dos povos indígenas e comunidades tradicionais para a conservação da biodiversidade, a oferta de serviços ecossistêmicos em paisagens florestais, e os caminhos para a construção de uma nova economia para a Amazônia, baseada no conhecimento da sociodiversidade brasileira.

O segundo encontro apresentou duas visões de governança das paisagens florestais, uma baseada no mercado de produtos sustentáveis e outra mais abrangente, baseada na sustentabilidade dos modos de vida de povos indígenas e populações tradicionais a partir de lógicas locais. Na interface dessas visões se abrem possibilidades de inovação na governança florestal dos territórios e de sistemas produtivos locais. Discutiu-se a certificação de produtos da biodiversidade de florestas tropicais e o desenvolvimento de cadeias de valor desde os territórios tradicionais até os mercados finais globalizados, valorizando a governança local e considerando uma justa repartição de benefícios.  Foram destacadas outras visões de manejo e governança florestal de territórios tradicionais, e sua contribuição para formas social e culturalmente mais inclusivas de alcançarmos paisagens florestais sustentáveis.

O terceiro encontro debateu a governança de grandes iniciativas de restauração florestal no Brasil e os desafios de implementar tais iniciativas desde a escala nacional à escala local, considerando tanto os contextos socioculturais quanto as características ecológicas dos diferentes biomas. Debateu-se sobre as diferentes configurações e papeis das redes multi-atores na governança da restauração florestal bem como os desafios de acesso a recursos financeiros e engajamento de produtores rurais para ampliar as ações de restauração florestal, em diferentes contextos do Brasil.

O quarto e último encontro focou no nível local da governança e no papel das inovações sociais para impulsionar processos de restauração florestal. Foram discutidos os desafios de fortalecimento dos atores sociais e ações de restauração florestal no nível local, considerando programas de Pagamento por Serviços Ambientais no nível dos municípios, a ação de ONGs locais, o desenvolvimento de produtos oriundos da restauração florestal e a importância dos Sistemas Agroflorestais nesse contexto, com destaque para a produção e inclusão dos conhecimentos e experiências dos produtores locais na governança da restauração florestal.

Link para os vídeos na conta oficial do IEE/USP no YouTube - https://www.youtube.com/channel/UCzwv5TA7-ASIpXExAx-aazg